jun 302011
 

ÁGUA NO JOELHO

É um aumento da quantidade do líquido que normalmente existe no interior dos joelhos, denominado líquido sinovial. Na verdade não é somente um aumento na quantidade deste líquido, mas também há uma alteração na qualidade e em algumas características físicas do mesmo, como veremos mais adiante.

Vamos a uma primeira pergunta:
O que é o líquido sinovial e onde ele é “fabricado”?

O líquido sinovial é um líquido encontrado no interior das articulações de nosso organismo. É produzido tanto pelas células da membrana sinovial, que é uma membrana que reveste internamente as articulações, como pela circulação sangüínea desta membrana. Na formação deste líquido esta membrana fornece uma substância chamada ácido hialurônico e certas proteínas, ao passo que a circulação sangüínea desta membrana fornece os eletrólitos, algumas células , glicose, etc.

Vamos a outra pergunta:

Como é o líquido sinovial normal que existe dentro de nossos joelhos e qual sua diferença com “água” no joelho?

O líquido sinovial normal é um líquido transparente de cor amarelo palha com o pH médio em torno de 7,38. É composto, como vimos acima, de água, eletrólitos, ácido hialurônico, proteínas, glicose, etc. Estes e outros componentes que existem no líquido sinovial, assim como suas propriedades físicas tais como a transparência, côr, pH, viscosidade, elasticidade,  podem se alterar nas diversas doenças e nos traumas que atingem esta articulação. É a este líquido com suas características alteradas, inclusive em sua quantidade, que denominamos “água” no joelho. Pode causar problemas como veremos mais adiante. Para nós ortopedistas, a presença de “água” no joelho indica que há um distúrbio dentro desta articulação, seja como conseqüência de um trauma como a ruptura de meniscos, ou uma doença que atinge o joelho como nas artrites, artrose, etc. aumentando de 2 ml para 20, 40, 80, 100 ml causando, entre outras coisas, dor e desconforto em nossos joelhos.

- Quanto deste líquido sinovial temos normalmente dentro dos nossos joelhos e para que serve este líquido?

Normalmente temos cerca de 2 ml de líquido sinovial dentro do joelho . Temos algumas funções importantes deste líquido, entre as quais, a de lubrificar as superfícies articulares para diminuir o atrito entre ambas as superfícies articulares e assim podermos movimentar bem nossos joelhos, deslizando uma superfície articular sobre outra.  Também participa da diminuição do impacto entre estas superfícies articulares. Uma função muito importante do líquido sinovial e que não pode ser esquecida é a nutrição e portando a vitalidade da cartilagem articular e parte dos meniscos. É muito importante a vitalidade desta cartilagem articular, pois sua degeneração, seu “desgaste” leva à uma doença  conhecida como artrose.

- Podemos “tirar” a água do joelho para exames laboratoriais?

É o que fazemos diante de um joelho com um derrame articular que não sabemos a causa, pois “água” no joelho não é doença, mas sim um sintoma de alguma doença ou trauma que atingiu o joelho e que para um tratamento ideal, devemos pesquisar sua causa. Colhemos esta “água” com seringas e agulhas com técnica apropriada e a enviamos ao laboratório de análise para pesquisa de uma série de itens.

- Porque surge “água” no joelho?

Para se ter idéia de algumas das causas de “água” no joelho, podemos citar os traumas de joelhos com rupturas de estruturas internas como os meniscos, os diversos tipos de artrites, artrose, gota, sinovites. Doenças a distância como a infecção intestinal por salmonelose, parasitose intestinal, ou mesmo uma infecção genito-urinára como a gonorréia, entre outras inúmeras moléstias também podem provocar derrame articular no joelho. São as chamadas “artrites reativa.”

- È preciso retirar a “água do joelho” ?

As vezes sim outras vezes não. Quando este derrame articular é grande e causa dor, então aspiramos com seringa e colocamos ou não fármacos no interior do joelho no intuito de não voltar a inchar ou sentir dor. Outras vezes precisamos aspirar este líquido para enviá-lo a exames laboratoriais para se poder chegar a conclusão qual a causa deste derrame para poder combatê-la de forma correta. As vezes também procedemos a remoção do líquido, conhecida como artrocentese, no pós operatório de algumas cirurgias, pois a presença deste líquido acima de determinado volume dificulta a recuperação de  uma hipotrofia muscular. Também devemos lembrar que como neste derrame articular suas propriedades estão alteradas, então este líquido não irá cumprir suas funções de forma correta, podendo levar esta articulação a um processo degenerativo de caráter irreversível conhecida como artrose. O derrame articular pode aparecer de forma lenta e progressiva ou de forma aguda, rápida, como numa crise de gota, em que nosso paciente deita com o joelho normal e acorda no meio da noite com êle inchando, chegando pela manhã muitas vezes com um derrame em torno de 50, 60ml ou mais dentro do joelho causando muita dor, sendo uma das indicações de remoção deste líquido em caráter de urgência.

- Como combater esta afecção?

Dependendo da causa do derrame articular, pode ser fácil e rápido, como em pequenos traumas, demorando um pouco mais em algumas artrites chamadas de artrite reativa, cuja causa está a distância, longe do joelho como foi mencionado acima, como a infecção intestinal por salmonelose, parasitose intestinal, vírus, etc. É interessante que no caso da artrite reativa o derrame no joelho costuma surgir após 1 semana a 1 mês de adquirida a moléstia. Outras vezes torna-se extremamente difícil, como na artrite reumatóide na qual o derrame articular no joelho é apenas um dos vários aspectos desta moléstia. Neste caso é tratada pelos reumatologistas. Neste aspecto, o ortopedista pode ajudar o reumatologista fazendo  uma cirurgia chamada artroscopia, que tem por finalidade examinar internamente o joelho, observar o estado da cartilagem articular, dos ligamentos cruzados, dos meniscos e das características da membrana sinovial já mencionada no início. Neste caso, além destes dados fazemos uma biópsia pela artroscopia para poder identificar, dentro de certos limites, qual o tipo de artrite que está atacando o joelho. De maneira geral nestas artrites, esta membrana está aumentada de tamanho através das chamadas vilosidades sinoviais e portanto também está aumentada a produção deste líquido enfermo. Uma das opções no momento da artroscopia além da biópsia, é a de diminuir o tamanho destas vilosidades fazendo-se a chamada sinovectomia, que é um procedimento semelhante ao que fazemos ao podarmos a grama de um jardim e desta forma conseguimos, pelo menos de forma temporária, a diminuição da produção deste líquido alterado e com isto, melhor controle da moléstia pelo reumatologista.

Para finalizar, podemos dizer de forma resumida, que “água” no joelho, assim como a febre, não é uma doença mas sim um sintoma de uma moléstia e que devemos nos empenhar em procurar sua origem, sua causa e combatê-la convenientemente.